A contadora e o administrador que viajaram por vários países com apenas uma mochila nas costas

«Temos todo o tempo do mundo»

Grande parte dos intercambistas pretendem fazer um mochilão e estes dois aventureiros vão contar esta experiência para a gente. Brutal né?

Bruna Neves Soares, é contadora e tem 24 anos e Márcio Correia Lima da Silva, é administrador e tem 33 anos. Ambos tinham uma meta em comum: aproveitar o máximo o velho continente e viajar em mais países que conseguirem.

A vida dos jovens se cruzaram na capital da Irlanda, talvez se tivessem no Brasil, jamais teriam se conhecido, afinal, Bruna vive em São Paulo e Márcio em Recife, ou seja, são mais de 2 mil quilômetros de distância. Não sei se todos sabem, mas muitos estudantes brasileiros quando chegam na ilha Esmeralda tem a grande missão de encontrar uma casa para morar, e foi assim, que eles se conheceram e construíram uma amizade.

IMG_20150824_103131092

A Paulistinha conta que este nem era o sonho dela e sim da irmã, mas o mundo conspirou para os seus lados, já Márcio pensava que não tinha a melhor idade para aventurar-se e as vezes estas mudanças poderiam atrapalhar a carreira profissional.

Mas na verdade, o que é um mochilão? Viajar muito e gastar pouco é um dos pilares defendidos pelos aventureiros e especialistas do assunto. Normalmente são viagens feitas por jovens que buscam conhecer num determinado tempo o máximo de países que alcançarem. E portanto, aproveitar de tudo que estes lugares lhes oferecem, por exemplo: pessoas, gastronomia, climas, visitas em monumentos históricos, museus e claro que tirar selfies e eternizar estes momentos.

Para eles, durante 30 dias foram os mais loucos, maravilhosos, entusiásticos e deslumbrantes da vida, pois foi a altura que os dois decidiram visitar lugares que apenas conheciam através dos livros, filmes e TV.

IMG_0078

#Partiu Vamo fazer mochilão pela Europa?

A contadora visitou 11 países e o Administrador de Empresas visitou 9, eles começaram juntos nesta aventura. A primeira aterragem foi Portugal, seguiram para Espanha, depois França, Itália, Vaticano, Hungria, Áustria, República Checa e Alemanha. Em seguida Bruna fez a viagem sozinha para mais dois destinos, Holanda e Bélgica.

Acomodação em Hostel (Foto do arquivo pessoal dos entrevistados)
Acomodação em Hostel (Foto do arquivo pessoal dos entrevistados)

Toda a viagem foi registada e quando havia Internet, era o momento de dividir as experiências nas Redes Sociais, visto que os amigos e familiares estavam impacientes com a demora das exposições fotográficas da nova experiência cultural destes mochileiros.

O Recifense tem a fama de criativo e foi ele que fez todo o roteiro mediante os próprios interesses «Fiz o roteiro de acordo com os lugares que sempre quis conhecer, preço das passagens e localização. Usei um site chamado Goeuro, onde mostrava os preços de todas as opções de transporte»

Questiono Bruna sobre a organização destes dias e ela conta, «Não planejamos o que faríamos em cada cidade. Sabíamos de alguns pontos turísticos em determinados lugares, como a Torre Eiffel em Paris, Coliseu em Roma ou Muro de Berlin, em Berlin. Mas traçamos a rota e os lugares a serem visitados conforme íamos para as cidades. Pegávamos os mapas e olhávamos os pontos interessantes. Acredito que a “falta de planejamento” nos fez conhecer mais cada cidade, pois saíamos andando e olhando tudo»

(Foto arquivo pessoal da entrevistada)
Bruna em Disneylandia Paris

É mesmo neste espírito que os brasileiros embarcam nestas viagens e é fantástico ouvir todas as histórias. Cada viagem é uma viagem, Márcio quando chegou em Paris ficou encantado com o tamanho da Torre Eiffeil e contou que durante a estadia em França, não conseguia parar de olhar para aquele monumento. Bruna neste momento decidiu voltar a infância e desvinculou do companheiro de viagem e foi conhecer sozinha o mundo mágico da Disneylandia «Foi um sonho! Adorei visitar a Disney de Paris e para mim valeu muito a pena – É um lugar mágico, super organizado e me senti criança de novo.»

Viajaram de avião, trem e ônibus, ficaram hospedados em hósteis e o custo das alimentações eram controladas. Eles contam que Portugal tinha o melhor preço para as refeições, que a Espanha foi o destino de encanto e que a Roma não os surpreenderam. Se hoje eles fizessem a viagem novamente, eles incluiriam países exóticos no roteiro: Grécia, Marrocos, Croácia e Turquia – ambos acreditam que estes lugares poderiam ser fantásticos. Algumas pessoas podem pensar que isto é uma loucura, pois alguns destes países estão atribulados com a entrada dos refugiados, mas estes jovens amigos possuem a alma aberta para o descobrimento e este não seria um problema.

Peço para eles contarem história engraçada durante a viagem e Márcio começa entusiasmado a dizer algo bem “crazy” «Quando chegamos em Roma, dois Turcos nos abordaram. O primeiro perguntou de onde éramos, quando respondemos: BRASIL – os caras enlouqueceram! Eles disseram que nós brasileiros comprávamos roupas caras e foi neste momento que eles começaram a apalpar as nossas roupas e perguntavam o valor que pagamos. Logo o segundo Turco segurou o meu I-Phone 6 e na hora foi desesperador. Eu e a Bruna pensamos naquele momento que iríamos ser assaltados e a nossa primeira reação foi sair correndo. Até agora, eu não sei se eles eram ladrões ou dois doidos?!»IMG_20150903_182923818

Uma situação complicada. As vezes o fato de viver na Europa, faz com que nós deixamos a malícia de lado e isto é importante manter. Não é porque estamos em terras europeias que não corremos o risco de encontrar pessoas de má fé.

Bruna contou outra experiência embaraçada «quando fomos para Budapeste, olhamos o endereço do Hostel e pegamos o transporte público para ir até o local. Porém, em Budapeste, as vezes o mesmo nome da rua pode ser encontrado idêntico em cinco locais opostos. E foi assim que paramos no lugar errado. Foi um desespero, pois ficamos no meio do nada, não havia movimento, não havia gente, não havia simplesmente nada. Aí, tivemos que chamar um TAXI. Porém o taxista não falava em Inglês e a nossa comunicação foi por meio de mímica. Ele pediu que esperássemos e chamou um colega o qual nos levou para o nosso hostel. Hoje vemos a loucura, já pensou se perder em um país que você não conhece? Não entende nada da língua local? Hoje penso que foi engraçado, porém na altura, foi um pouco tenso.» 

IMG-20151019-WA0006

Peço que eles deixem uma mensagem para os brasileiros que anseiam por este momento de pegar as malas, colocarem nas costas , traçarem o roteiro e viajar por vários países europeus. «Vá agora! As situações, os lugares, o que você come, as pessoas que conhece, os “perrengues” também são coisas da viagem que você levará por toda vida. Vale a pena cada centavo!» Márcio ainda refere uma inspiração «as coisas acontecem como e quando devem acontecer» e Bruna enfatiza « o que não podemos fazer é desistir ou deixar de fazer alguma coisa. Sempre pensei nisso, prefiro me arrepender de uma coisa que fiz, do que uma que deixei de fazer. Mas claro, com consciência e moderação.»

E você, também tem a mesma coragem que estes dois amigos brasileiros? Nunca é tarde hein?

#PartiuVamoViajar?

unnamed
Todas as imagens expostas nesta matéria são do arquivo pessoal dos entrevistados

“Não existe tempo certo, existe o seu tempo”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s